quarta-feira, julho 30, 2008

Porque o ocaso é vermelho




Quando o sol está no horizonte, a luz leva um caminho muito maior através da atmosfera para chegar aos nossos olhos do que quando está sobre nossas cabeças. A luz azul nesse caminho foi toda dispersada , a atmosfera atua como um filtro , e muito pouca luz azul chega até você, enquanto que a luz vermelha que não é dispersada e sim transmitida alcança nossos olhos com facilidade. Nessa hora a luz branca está sem o azul.

Durante a dispersão da luz nas moléculas ocorre o fenômeno de interferência destrutiva em que a onda principal se subdivide em várias outras de menor intensidade e em todas direções, porém mantendo a energia total conservada.
O efeito disto é que a luz azul do sol que vinha em linha reta passa a ir em todas as direções. Ao meio dia todas as direções estão próximas de nós mas no entardecer a dispersão leva para longe do nosso campo de visão o azul já que a luz solar percorre uma longa tangente na circunferência da terra até chegar aos nossos olhos.

Além disso, o vermelho e o laranja tornam-se muito mais vívidos no crepúsculo quando há poeira ou fumaça no ar, provocado por incêndios, tempestade de poeira e vulcões.
Isso ocorre porque essas partículas maiores também provocam dispersão com a luz de comprimento de onda próximos, no caso o vermelho e laranja.

Profissão Físico, parte I



Um breve relato histórico, parte 1

A Física é o campo da ciência que investiga os fenômenos e as estruturas mais fundamentais da natureza. Esse conhecimento acumulado durante séculos tem contribuído para que a humanidade pudesse compreender aspectos cada vez mais complexos da natureza e através desse conhecimento criar sistemas, dispositivos e materiais artificiais que tem sido decisivo para o progresso tecnológico.

As investigações de físicos sobre fenômenos elétricos e magnéticos, que levaram a construção de equipamentos que usamos nos dias atuais para, por exemplo, gerar energia elétrica para acionar, funcionar e movimentar uma variedade muito grande de aplicações. Essas mesmas investigações levaram a descoberta de que a luz é uma onda eletromagnética.

Ondas desta natureza, mas com menor freqüência propiciaram a invenção do rádio, da televisão, do radar e dos sofisticados meios de telecomunicações que estão incorporados na sociedade moderna.

A compreensão detalhada da estrutura atômica e das partículas fundamentais da natureza só foi possível a partir da descoberta da mecânica quântica na década de 1920 que possibilitou abrir espaço para um grande desenvolvimento da Física e de outros campos da ciência, e isso, conduziu a descoberta de novos fenômenos.

A condução eletrônica em semicondutores, foi uma desses novos fenômenos, quando foi possível a invenção do transistor e dos circuitos integrados no final da década de 50. Essas invenções revolucionaram a eletrônica e abriram o caminho para a disseminação dos computadores que estão transformando os costumes da sociedade.

Outro fenômeno, foi a invenção do laser (imagem acima) na década de 60 que propiciou o advento das comunicações óticas produzindo grandes modificações na eletrônica.

Utilizar essas descobertas científicas apenas para o bem é um dos principais desafios de nós físicos (e futuros físicos) e da sociedade moderna. Infelizmente, algumas invenções dessas podem destruir toda uma sociedade como essa bomba abaixo que é a bomba de hidrogênio, ou simplesmente a bomba H, mas isso vou falar em um outro tópico.





Todos os tópicos:

Profissão Físico, parte II

Profissão Físico, parte III

Profissão Físico, parte IV


Profissão Físico, parte V

Curiosidades

1. Se você ficar gritando por 8 anos, 7 meses e cinco dias, terá produzido energia sonora suficiente para aquecer uma xícara de café. (O.o Não vale a pena)

2. Se você peidar constantemente durante 6 anos e 9 meses, terá produzido gás suficiente para criar a energia de uma bomba atômica. (Ui, agora sim! haha)

3. O coração humano produz pressão suficiente para jorrar o sangue para fora do corpo a uma distância de 10 metros. (Uau!)

4. O orgasmo de um porco dura 30 minutos. (Depois disso, qual o homem não quer ser um porco?)

5. Bater a sua cabeça contra a parede continuamente gasta em média 150 calorias por hora. (Não em casa, talvez no trabalho)

6. O louva-deus macho não pode copular enquanto a sua cabeça estiver conectada ao corpo. A fêmea inicia o ato sexual arrancando-lhe a cabeça. (Querida, cheguei! O que é is…..?)

7. O bagre tem mais de 27 000 papilas gustativas. (O que é que pode haver de tão saboroso no fundo de um rio?)

8. O músculo mais forte do corpo é a língua. (Por que será??)

9. Pessoas destras vivem em média 9 anos mais do que as canhotas. (E se a pessoa for ambidestra?)

10. O olho de um avestruz é maior do que o seu cérebro. (Conheço gente assim)

11. Estrelas-do-mar não têm cérebros. (Conheço gente assim também)

12. Ursos polares são canhotos. (Se eles começarem a usar o outro lado, viverão mais)

13. Seres humanos e golfinhos são as únicas espécies que fazem sexo por prazer. (E aquele porco???)


fonte

Um Grito de liberdade (pensamentos)

será que as crianças já nascem sabendo o que é preconceito? ou isso vai simplesmente acontecendo? até onde vai nossa intolerâcia?.
Quanto você acha que vale uma vida? Quanto vale a minha, a sua, a de seus amigos, eu só queria saber o que pessoas ganham tendo preconceito.







Preconceito é um juízo preconcebido, manifestado geralmente na forma de uma atitude discriminatória perante pessoas, lugares ou tradições considerados diferentes ou "estranhos". Costuma indicar desconhecimento pejorativo de alguém ao que lhe é diferente. As formas mais comuns de preconceito são: social, racial e sexual.

“O que me preocupa não é o grito dos maus. É o silencio dos bons”
Martins Luther King

Gagueira

Rá-tá-tá-tá-tá-có-có-có-pó-pó-pó-pó-di-di-di-di





muito hilário....

quarta-feira, julho 23, 2008

O valor da amizade

O valor de um amigo é a amizade e isso não tem preço.




Fonte: slideshare

Cientistas transmitem pensamento


Muito legal a materia que vi essa semana no blog ciência maluca da superinteressante em que eles mostraram como que foi a primeira vez que cientistas conseguiram demonstrar uma ligação telefônica feita por uma pessoa sem voz!
Mas não se preocupe, o sistema não reconhece seus pensamentos profundos, somente aqueles enviados às cordas vocais. O sinal passa pelo aparelho e é transmitido para um computador que transforma as palavras em fala, por uma voz eletrônica.



O sistema só reconhece cerca de 150 palavras e frases, mas já está sendo aperfeiçoado e deve ajudar pessoas que perderam a habilidade de locução por causa de um acidente ou doença.

Piadexx Eleitoral


Puxa vida.. esse negócio de horário político ainda nem começou e já estou imaginado quanto mentira seremos obrigado a ver e ouvir e o pior ainda é que teremos o segundo round. O que terá de político pára-quedista não seŕa brincadeira, igual esse tiuzinho.




Um Zé Ninguém que o povo nunca viu antes mas que, segundo eles, estiveram sempre dedicados a vida pública. Vai entender...

sexta-feira, julho 18, 2008

Chegada à Marte


Óptica microscópica

A óptica segundo Beackman, é mostrada de forma engraçada e interativa.
Acho bastante interessante como ele consegue demonstrar a física de forma tão simples que até criança entende.


Piadexx O Velhinho...

Duas gajas boas, mesmo boas, mesmo muito boas resolveram brincar com um velhinho com mais de 80 anos.

Aproximaram-se e disseram-lhe:

- Ó velhinho, diz-nos uma coisa. O que é que fazias com duas gajas tão boas como nós?

- Com as duas, não fazia nada. Mas com mais quatro ou cinco,... abria uma casa de putas !!!

quarta-feira, julho 16, 2008

O computador e a mulher

1. Ambos têm a sua própria linguagem.

2. Se tiveres bastante dinheiro, conseguirás um excelente modelo.

3. Ninguém pode dizer que os entende inteiramente.

4. São preferidos pelos homens. (Mas há exceções.)

5. Existem nos mais variados modelos, cores, formatos, pesos, tamanhos e recursos.

6. Os modelos mais dispendiosos são sempres os melhores.

7. Ambos têm uma abertura frontal...

8. As novas gerações são bem melhores que as anteriores e vêm com formas ainda mais arredondadas.

9. Quando se interconectam dois deles, nem se imagina o tipo de informações que eles podem trocar.

10. Os computadores vêm com a sua placa-mãe e as mulheres vêm com a sua sogra...

11. Depois de o homem ficar muito tempo tentando deixar o computador (ou a mulher) no ponto, sempre aparece algo inesperado que o interrompe. Às vezes, ele tem de recomeçar tudo desde o início.

12. Ambos fazem com que o homem perca a noção do tempo a cabeça.

13. Há quem os utilize apenas como entretenimento, esquecendo os aspectos utilitários.

14. É difícil viver sem eles. É difícil viver sem elas.

15. Existem alguns modelos pequenos tão ou mais interessantes e com os mesmos recursos que os modelos maiores.

16. Quanto mais antigo o modelo, mais trabalhosa é a manutenção.

17. Basta um dedo para fazê-los funcionar e deixá-los no ponto.

Um recado para elas, não fiquem brava, afinal é apenas uma brincadeira.

Piadexx, os elétrons

Elétrons

Dois átomos conversam.
- Chi! Perdi um elétron.

- Tens certeza?

- Positivo.

Piadexx , enfim, uma piada de brasileiro

O espelho
Joaquinzinho encontra um espelho, olha bem pra ele e depois diz ao pai, o velho Joaquim:
- Papai, tem um gajo aqui atrás desse vidro.
- Mostra-me esse vidro. (Pausa.) O gajo que você viu tem bigodes?
- Não.
- Então há dois gajos atrás deste vidro.

--------------------------------------------------------------------------

Enfim, uma piada de brasileiro

Um grupo de brasileiros chega a Lisboa numa dessas excursões recheadas de empregadas domésticas de políticos de Brasília, novos ricos e emergentes. Logo no dia em que chegam, não há nenhuma programação estabelecida e os turistas podem ir passear à vontade. Silva, um dos turistas, resolve ir ao cinema. Chega ao cinema e vai direto ao guichê comprar o ingresso, sem se dar conta de que havia uma enorme fila.
- Perdão cavalheiro, mas o senhoire tem que esperar na bicha - diz o bilheteiro apontando para a fila.
(Para quem não sabe: lá, eles chamam fila de bicha.)
O brasileiro não gosta nadinha dessa história de bicha.

- Cumé-quié? - pergunta ele indignado.
- O senhoire vai ter esperar sua vez na bicha - insiste o bilheteiro.
O Silva fica meio atônito, sem entender o motivo dessa agressão. Vai partir para a ignorância quando um português que está na fila, quer dizer, na bicha e que já havia estado no Brasil percebe a situação difícil em que o brasileiro se encontra.

- Senhoire - diz o português muito solícito -, o que vocês chamam de fila no Brasil, aqui nós chamamos de bicha. O senhoire vai ter que esperaire na bicha. Silva passa de indignado a enraivecido:
- Ah, é, é? É bicha, é? E como é que vocês chamam filho da puta aqui em Portugal, hein?
- Aqui nem precisamos chamar, senhoire - responde o português. - A TAM traz aqui uma porção deles toda a semana sem que os chamemos.

Expansão cósmica




Uma das maneiras de calcular quantos anos o Universo tem é verificar seu ritmo de expansão. Segundo a teoria do Big Bang, a grande explosão que gerou toda a matéria e energia que existe, empurra, até hoje, tudo o que existe no Cosmo. Assim, as galáxias estão permanentemente se afastando umas das outras. Isso é o que se chama expansão cósmica.

O primeiro a detectar essa corrida em direção ao infinito foi o americano Edwin Hubble (1889-1953). Ao estudar as galáxias, em 1927, ele percebeu que, na escala cósmica, tudo se afasta de nós. Dois anos mais tarde, Hubble verificou um fato espantoso: quanto maior a distância da galáxia, maior é a sua velocidade de afastamento.

É fácil entender: imagine que uma galáxia está a 1 milhão de anos-luz da Via Láctea, a galáxia onde fica a Terra, e a velocidade com que ela se afasta é de 15 quilômetros por segundo. Então, uma outra galáxia que esteja a 2 milhões de anos-luz se afastará a exatos 30 quilômetros por segundo. E assim por diante. A proporção entre a distância e a velocidade das galáxias é chamada taxa de expansão, e recebeu o nome de constante de Hubble.

A velocidade de 15 quilômetros por segundo foi exatamente a que Hubble mediu, em sua época. E só com isso já deu para calcular a idade do Cosmo. Basta voltar ao exemplo da galáxia a 1 milhão de anos-luz da Via Láctea. A idade do Universo é justamente o tempo que ela levou para ficar tão longe da Via Láctea já que, no momento do Big Bang, elas estavam juntas.

É só fazer a conta: a uma velocidade de 15 quilômetros por segundo, elas levaram dois bilhões de anos para se distanciar 1 milhão de anos-luz (a idade é a distância dividida pela velocidade; não esquecer que 1 ano-luz vale 9,5 trilhões de quilômetros). O resultado dessa conta seria a idade do Universo: 2 bilhões de anos. Aí aparece a grande contradição: como o Universo poderia ser mais novo do que a própria Terra, que já se sabia ter 4,5 bilhões de anos




Sgundo a equipe, liderada pelo americano Michael Pierce, do Observatório Kitt Peak, trabalhou com um telescópio de solo, o potente CFHT, no Havaí, Hubble foi prejudicado pelas medidas de velocidade, muito imprecisas. Acontece que nem sempre as galáxias seguem o ritmo de expansão do Cosmo: duas galáxias podem ser atraídas entre si, por sua própria força gravitacional, e criar um movimento independente, que interfere com o cálculo da idade do Universo.

Desde a época de Hubble, a taxa de afastamento das galáxias foi corrigida diversas vezes e acabou caindo. A idade do Universo foi recalculada para cerca de 15 bilhões de anos, valor coerente com a idade das estrelas mais velhas conhecidas.

É possível que a imprecisão das medidas, 65 anos depois de Hubble, ainda estejam atrapalhando os novos cálculos. Admite-se uma incerteza de mais de 20% na distância do aglomerado de Virgem. Com isso, em vez dos 8 bilhões de anos que eles calcularam, a idade do Universo subiria para cerca de 10 bilhões de anos. É um valor menos contraditório com a idade das mais velhas estrelas. Esta idade também pode conter incertezas as estrelas podem ter bem menos do que 13 bilhões de anos.

A dificuldade dos astrofísicos é separar os dois tipos de velocidade a que é causada pelo Big Bang e pelo movimento independente. A única saída é medir a velocidade de grupos de galáxias muitíssimo distantes de nós, em que a atração gravitacional seja tão mínima que possa ser desprezada.

terça-feira, julho 15, 2008

Velocidade de expansão das galáxias



Em 1929, o astrônomo Edwin Powell Hubble trabalhando no Palomar Observatory, no telescópio Hale (que, durante muitos anos, foi o maior do mundo) descobriu que as chamadas nebulosas nada mais eram que galáxias distantes. Mais tarde, usando o efeito Doppler, provou que, além de estarem fora da nossa galáxia, a Via Láctea, estava se afastando com velocidades muito grandes.

Lei de Hubble

Como já se referiu atrás, Edwin Hubble foi um astrônomo que dedicou a sua vida inteira à descoberta do Universo, e as suas descobertas revolucionaram a astronomia e astrofísica atual.

Uma das suas principais descobertas foi a lei de Hubble, que diz que as galáxias se afastam umas das outras com uma velocidade proporcional à sua distância.

Para compreender este fenômeno, é necessário imaginar que não são as galáxias que se deslocam, mas sim o Universo inteiro que se dilata. Pode-se pensar num balão esférico no qual se tivessem marcado pontos eqüidistantes de um centímetro, por exemplo. Se encher regularmente o balão, de tal modo que em cada minuto as distâncias se encontrem duplicadas, um observador colocado num ponto qualquer O, verá então que o ponto A inicialmente situado a um centímetro de distância de O se encontra ao fim de um minuto a dois centímetros; um ponto B inicialmente situado a dois centímetros de distância de O encontrará a quatro centímetros ao fim de um minuto.

As distâncias serão:

No segundo minuto, OA = 4, OB = 8.

No terceiro minuto, OA = 8 e OB = 16.

O observador colocado em O verificará, portanto, que qualquer ponto se afasta dele tanto mais depressa quanto mais afastado estiver:

O ponto A viajou durante o primeiro minuto a uma velocidade média de um centímetro/minuto; durante o segundo minuto à velocidade de dois centímetros/minuto; durante o terceiro minuto à velocidade de quatro centímetros/minuto. A velocidade do ponto B passou do mesmo modo de dois centímetros/minuto a quatro centímetros/minuto e depois a oito centímetros/minuto.

As velocidades relativas vão aumentando à medida que os pontos considerados estão mais afastados uns dos outros. Mas, considerando no seu conjunto, o fenômeno obedece a uma lei constante: o fator de aumento de velocidade entre dois pontos é uniforme, do mesmo modo que o enchimento do balão.

Edwin Hubble, para chegar a esta conclusão, analisou os resultados de Slipher, que descobriu que, de um modo geral, os espectros das galáxias apresentam desvios para o vermelho (Redshift), e alargou o estudo dos espectros das galáxias mais distantes então conhecidas. E verificou que o desvio para o vermelho também ocorria, e que o valor desse desvio era tanto maior quanto mais distante estivessem as galáxias umas em relação ás outras. Então Hubble chegou à conclusão que o Universo está em expansão e as velocidades de recessão (afastamento) das galáxias eram diretamente proporcionais às suas distâncias à Terra. Esta conclusão ficou conhecida por lei de Hubble.

Com a lei de Hubble chegou-se à conclusão que o Universo está em expansão, mas não se sabe se vai parar, ou se vai a expandir-se eternamente, fazendo com que a densidade e a temperatura do Universo sejam ainda mais baixas, ou se tem fases de expansão e de contração.

O Big Bang é o tema central de uma teoria que se propõe explicar a origem e evolução do Universo, referindo um início que terá ocorrido há quinze mil milhões de anos. De acordo com esta teoria, o Universo expandiu-se rapidamente, com a formação de muitos tipos de partículas, como o hidrogênio, o hélio e o lítio. Um átomo primitivo ou ovo, num dado momento, provocou uma violenta explosão e assim se terão formado as protogaláxias que posteriormente terão originado as galáxias, depois as estrelas e, por fim, os restantes corpos celestes

Hubble concluiu que para essas estrelas de modo real brilhantes aparecerem tão fracas, deviam estar extraordinariamente afastadas da Terra. O seu trabalho ajudou os astrônomos a começarem a compreender a imensa dimensão do Universo.

Conclui-se, daí, que o universo como um todo está em expansão. Essa expansão, segundo os cosmólogos, teve início em algum instante, cerca de 15 mil milhões de anos atrás. Nessa ocasião, toda a matéria e energia do universo atual estavam concentradas de alguma forma em um minúsculo ponto de temperatura e densidade além da imaginação. Subitamente, algo ocorreu e o ponto começou a expandir-se. Esse momento é conhecido como o BIG BANG, nascimento do universo onde moramos. Desde então, o nosso universo continua a inchar e ninguém ainda sabe ao certo se essa expansão vai parar.

As descobertas de Edwin Hubble vieram, portanto, revolucionar os conceitos e o estado de conhecimento da astronomia no seu tempo, que tinha uma concepção estática do universo, restringido então aos limites da Via Láctea.

As suas teorias era uma hipótese contrária à de Newton, pois considerava que o universo atual surgiu de um cosmos único que se estalou em fragmentos, que tendem a afastar-se cada vez mais uns dos outros.

Hubble mediu a razão entre velocidade de afastamento e distância de galáxias distantes e verificou que, para quase todas elas, a razão era uma constante.

O valor da constante de Hubble, denotado Ho, é motivo de um debate acalorado entre os cosmólogos, com 2 grupos defendendo valores perto de 50 km/s/Mpc e 80 km/s/Mpc.

Usando medidas de variáveis Cefeida (estrelas jovens, com várias massas solares e luminosidade 10.000 vezes maior que a do Sol), Madore (1992) obteve 83±12 km/s/Mpc e Sandage et alli (1996) obteve o valor 57±4 km/s/Mpc medindo o afastamento de supernovas.

1 Mpc = 10^6 Parsec
1 Parsec = 3,26 anos-luz

Efeito Doppler

Denomina-se efeito Doppler a alteração da freqüência notada pelo observador em virtude do movimento relativo de aproximação ou afastamento entre uma fonte de ondas e o observador.

Embora se trate de um fenômeno característico de qualquer propagação ondulatória, o efeito Doppler sonoro é mais comum em nosso cotidiano.
Quando um automóvel aproxima-se de nós buzinando, percebemos o som da buzina mais agudo (maior freqüência) do que perceberíamos se o veículo estivesse em repouso. Por outro lado, quando o automóvel afasta-se buzinando, percebemos um som mais grave (menor freqüência) do que perceberíamos se o veículo estivesse em repouso.

Quando uma fonte sonora se aproxima de um observador parado, nota-se que a freqüência do som por ele recebida é maior do que se a fonte estivesse em repouso, e, quando a fonte se afastar do observador parado, a freqüência é menor do que se ela estivesse em repouso.

Você pode verificar esse fato ao se posicionar numa rua ou avenida. Preste atenção no barulho do motor dos veículos, ou buzina, ou sirene. Você vai notar que, na aproximação, o som é mais agudo e, no afastamento, mais grave.

A diferença entre a freqüência percebida e a freqüência real do som foi estudada pelo físico austríaco Christian Jonhann Doppler (1803-1853), e seu estudo ficou conhecido como Efeito Doppler.


Chamando de f0 a freqüência aparente, isto é, a freqüência percebida pelo observador, podemos concluir que:

Quando há aproximação entre o observador e a fonte, o observador recebe mais ondas do que receberia se estivesse parado.

Quando há afastamento entre o observador e a fonte, o observador recebe menos ondas do que receberia se estivesse parado.

O comprimento de onda aparente é obtido pela expressão:


Qualquer que seja o movimento relativo entre observador e fonte, podemos calcular a freqüência aparente pela relação:

Onde:
f0: freqüência aparente, percebida pelo observador.

fF: freqüência real do sinal (som) emitido pela fonte.

v: velocidade do sinal (som).

v0: velocidade do observador.

vF: velocidade da fonte.


O sinal + ou – para as velocidades v0 e vF é sempre dado orientando-se a trajetória positivamente do observador para a fonte.

Se o ouvinte L está a esquerda da fonte S. Assim o sentido positivo é da esquerda para a direita. As duas velocidades serão positivas. A circunferência externa representa a superfície da onda emitida, num tempo t = 0 s.





Num intervalo de tempo entre t = 0 e t = t, o número de ondas emitidas pela fonte é dado pela multiplicação entre freqüência da fonte e do período que a onda leva para ser emitida.

Essas ondas se amontoam no intervalo de S para O enquanto no intervalo de L para S se espalham. A freqüência da onda é dado por:



O cientista Armand Fizeau, fez uma das primeiras constatações da validade do efeito Doppler para ondas eletromagnéticas. As radiações emitidas pelas estrelas nos permitem identificar a distância que elas estão em relação à Terra, bem como sua constituição, dependendo da freqüência da luz emitida.

Essas constatações estão de acordo com a teoria da expansão do universo, e em virtude do chamado deslocamento do vermelho pode-se constatar o afastamento das galáxias.


domingo, julho 13, 2008

Pela liberdade de acesso

Tramita em regime de urgência no Senado Federal o Projeto de Lei 89/2003, de autoria do senador Eduardo Azeredo (PSDB), batizada Lei dos Crimes Eletrônicos. Amparado pelo discurso do combate ao cibercrime e, especialmente, à pedofilia, o projeto passou praticamente sem causar polêmica pelas comissões de Assuntos Econômicos e de Constituição e Justiça, onde ganhou, no último dia 18, o selo de urgente.
A política brasileira está seguindo pelo caminho errado. Estão indo para o lado da censura. Censura é tratar todos como se fossem culpados.
E é isso que faz o projeto de lei criado pelo Senador Azeredo, e que já foi aprovado na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (PLC 00089/2003, PLS 00076/2000 e PLS 00137/200) que trata sobre os crimes na internet e que será votado amanhã no Senado Federal.

Reproduzo aqui o manifesto contra esse projeto.


EM DEFESA DA LIBERDADE E DO PROGRESSO DO CONHECIMENTO NA INTERNET BRASILEIRA

A Internet ampliou de forma inédita a comunicação humana, permitindo um avanço planetário na maneira de produzir, distribuir e consumir conhecimento, seja ele escrito, imagético ou sonoro. Construída colaborativamente, a rede é uma das maiores expressões da diversidade cultural e da criatividade social do século XX. Descentralizada, a Internet baseia-se na interatividade e na possibilidade de todos tornarem-se produtores e não apenas consumidores de informação, como impera ainda na era das mídias de massa. Na Internet, a liberdade de criação de conteúdos alimenta, e é alimentada, pela liberdade de criação de novos formatos midiáticos, de novos programas, de novas tecnologias, de novas redes sociais. A liberdade é a base da criação do conhecimento. E ela está na base do desenvolvimento e da sobrevivência da Internet.

A Internet é uma rede de redes, sempre em construção e coletiva. Ela é o palco de uma nova cultura humanista que coloca, pela primeira vez, a humanidade perante ela mesma ao oferecer oportunidades reais de comunicação entre os povos. E não falamos do futuro. Estamos falando do presente. Uma realidade com desigualdades regionais, mas planetária em seu crescimento.

O uso dos computadores e das redes são hoje incontornáveis, oferecendo oportunidades de trabalho, de educação e de lazer a milhares de brasileiros. Vejam o impacto das redes sociais, dos softwares livres, do e-mail, da Web, dos fóruns de discussão, dos telefones celulares cada vez mais integrados à Internet. O que vemos na rede é, efetivamente, troca, colaboração, sociabilidade, produção de informação, ebulição cultural. A Internet requalificou as práticas colaborativas, reunificou as artes e as ciências, superando uma divisão erguida no mundo mecânico da era industrial. A Internet representa, ainda que sempre em potência, a mais nova expressão da liberdade humana.

E nós brasileiros sabemos muito bem disso. A Internet oferece uma oportunidade ímpar a países periféricos e emergentes na nova sociedade da informação. Mesmo com todas as desigualdades sociais, nós, brasileiros, somos usuários criativos e expressivos na rede. Basta ver os números (IBOPE/NetRatikng): somos mais de 22 milhões de usuários, em crescimento a cada mês; somos os usuários que mais ficam on-line no mundo: mais de 22h em média por mês. E notem que as categorias que mais crescem são, justamente, "Educação e Carreira", ou seja, acesso à sites educacionais e profissionais. Devemos assim, estimular o uso e a democratização da Internet no Brasil. Necessitamos fazer crescer a rede, e não travá-la. Precisamos dar acesso a todos os brasileiros e estimulá-los a produzir conhecimento, cultura, e com isso poder melhorar suas condições de existência.

Um projeto de Lei do Senado brasileiro quer bloquear as práticas criativas e atacar a Internet, enrijecendo todas as convenções do direito autoral. O Substitutivo do Senador Eduardo Azeredo quer bloquear o uso de redes P2P, quer liquidar com o avanço das redes de conexão abertas (Wi-Fi) e quer exigir que todos os provedores de acesso à Internet se tornem delatores de seus usuários, colocando cada um como provável criminoso. É o reino da suspeita, do medo e da quebra da neutralidade da rede. Caso o projeto Substitutivo do Senador Azeredo seja aprovado, milhares de internautas serão transformados, de um dia para outro, em criminosos. Dezenas de atividades criativas serão consideradas criminosas pelo artigo 285-B do projeto em questão. Esse projeto é uma séria ameaça à diversidade da rede, às possibilidades recombinantes, além de instaurar o medo e a vigilância.

Se, como diz o projeto de lei, é crime "obter ou transferir dado ou informação disponível em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado, sem autorização ou em desconformidade à autorização, do legítimo titular, quando exigida", não podemos mais fazer nada na rede. O simples ato de acessar um site já seria um crime por "cópia sem pedir autorização" na memória "viva" (RAM) temporária do computador. Deveríamos considerar todos os browsers ilegais por criarem caches de páginas sem pedir autorização, e sem mesmo avisar aos mais comum dos usuários que eles estão copiando. Citar um trecho de uma matéria de um jornal ou outra publicação on-line em um blog, também seria crime. O projeto, se aprovado, colocaria a prática do "blogging" na ilegalidade, bem como as máquinas de busca, já que elas copiam trechos de sites e blogs sem pedir autorização de ninguém!

Se formos aplicar uma lei como essa as universidades, teríamos que considerar a ciência como uma atividade criminosa já que ela progride ao "transferir dado ou informação disponível em rede de computadores, dispositivo de comunicação ou sistema informatizado", "sem pedir a autorização dos autores" (citamos, mas não pedimos autorização aos autores para citá-los). Se levarmos o projeto de lei a sério, devemos nos perguntar como poderíamos pensar, criar e difundir conhecimento sem sermos criminosos.

O conhecimento só se dá de forma coletiva e compartilhada. Todo conhecimento se produz coletivamente: estimulado pelos livros que lemos, pelas palestras que assistimos, pelas idéias que nos foram dadas por nossos professores e amigos… Como podemos criar algo que não tenha, de uma forma ou de outra, surgido ou sido transferido por algum "dispositivo de comunicação ou sistema informatizado, sem autorização ou em desconformidade à autorização, do legítimo titular"?

Defendemos a liberdade, a inteligência e a troca livre e responsável. Não defendemos o plágio, a cópia indevida ou o roubo de obras. Defendemos a necessidade de garantir a liberdade de troca, o crescimento da criatividade e a expansão do conhecimento no Brasil. Experiências com Software Livres e Creative Commons já demonstraram que isso é possível. Devemos estimular a colaboração e enriquecimento cultural, não o plágio, o roubo e a cópia improdutiva e estagnante. E a Internet é um importante instrumento nesse sentido. Mas esse projeto coloca tudo no mesmo saco. Uso criativo, com respeito ao outro, passa, na Internet, a ser considerado crime. Projetos como esses prestam um desserviço à sociedade e à cultura brasileiras, travam o desenvolvimento humano e colocam o país definitivamente para debaixo do tapete da história da sociedade da informação no século XXI.

Por estas razões nós, abaixo assinados, pesquisadores e professores universitários apelamos aos congressistas brasileiros que rejeitem o projeto Substitutivo do Senador Eduardo Azeredo ao projeto de Lei da Câmara 89/2003, e Projetos de Lei do Senado n. 137/2000, e n. 76/2000, pois atenta contra a liberdade, a criatividade, a privacidade e a disseminação de conhecimento na Internet brasileira.

André Lemos, Prof. Associado da Faculdade de Comunicação da UFBA, Pesquisador 1 do CNPq.
Sérgio Amadeu da Silveira, Prof. do Mestrado da Faculdade Cásper Líbero, ativista do software livre.
João Carlos Rebello Caribé, Publicitário e Consultor de Negócios em Midias Sociais.

Clique aqui para assinar a petição online.

Leia mais.

Aproveite e mande email para o seu senador do qual você é o patrão dele.

Abaixo a lista com o email de cada um dos senadores brasileiros:

Adelmir Santana - adelmir.santana@senador.gov.br
Aloizio Mercadante Oliva - mercadante@senador.gov.br
Alvaro Fernandes Dias - alvarodias@senador.gov.br
Antônio Carlos Valadares - antval@senador.gov.br
Arthur Virgílio do Carmo Ribeiro Neto - arthur.virgilio@senador.gov.br
Augusto Affonso Botelho Neto - augusto.botelho@senador.gov.br
César Augusto Rabello Borges - cesarborges@senador.gov.br
Cícero de Lucena Filho - cicero.lucena@senador.gov.br
Cristovam Ricardo Cavalcanti Buarque - cristovam@senador.gov.br
Delcídio do Amaral Gomez - delcidio.amaral@senador.gov.br
Demostenes Lazaro Xavier Torres - demostenes.torres@senador.gov.br
Edison Lobão - edison.lobao@senador.gov.br
Eduardo Brandão de Azeredo - eduardo.azeredo@senador.gov.br
Eduardo Matarazzo Suplicy - eduardo.suplicy@senador.gov.br
Efraim de Araújo Morais - efraim.morais@senador.gov.br
Eliseu Resende - eliseuresende@senador.gov.br
Epitácio Cafeteira Afonso Pereira - ecafeteira@senador.gov.br
Expedito Gonçalves Ferreira Júnior - expedito.junior@senador.gov.br
Fátima Cleide Rodrigues da Silva - fatima.cleide@senadora.gov.br
Fernando Affonso Collor de Mello - fernando.collor@senador.gov.br
Fernando de Souza Flexa Ribeiro - flexaribeiro@senador.gov.br
Flávio José Arns - flavioarns@senador.gov.br
Francisco Mozarildo de Melo Cavalcanti - mozarildo@senador.gov.br
Francisco Oswaldo Neves Dornelles - francisco.dornelles@senador.gov.br
Garibaldi Alves Filho - garibaldi.alves@senador.gov.br
Geraldo Gurgel de Mesquita Júnior - geraldo.mesquita@senador.gov.br
Gerson Camata - gerson.camata@senador.gov.br
Gilvam Pinheiro Borges - gilvamborges@senador.gov.br
Heráclito de Sousa Fortes - heraclito.fortes@senador.gov.br
Ideli Salvatti - ideli.salvatti@senadora.gov.br
Inácio Francisco de Assis Nunes Arruda - inacioarruda@senador.gov.br
Jarbas de Andrade Vasconcelos - jarbas.vasconcelos@senador.gov.br
Jayme Veríssimo Campos - jayme.campos@senador.gov.br
João Batista de Jesus Ribeiro - joaoribeiro@senador.gov.br
João Bosco Papaléo Paes - papaleo@senador.gov.br
João Durval Carneiro - joaodurval@senador.gov.br
João Evangelista da Costa Tenório - jtenorio@senador.gov.br
João Pedro Gonçalves da Costa - joaopedro@senador.gov.br
João Raimundo Colombo - raimundocolombo@senador.gov.br
João Vicente de Macêdo Claudino - j.v.claudino@senador.gov.br
Jonas Pinheiro da Silva - jonaspinheiro@senador.gov.br
José Agripino Maia - jose.agripino@senador.gov.br
José Almeida Lima - almeida.lima@senador.gov.br
José Jefferson Carpinteiro Peres - jefperes@senador.gov.br
José Nery Azevedo - josenery@senador.gov.br
José Renan Vasconcelos Calheiros - renan.calheiros@senador.gov.br
José Renato Casagrande - renatoc@senador.gov.br
José Sarney - sarney@senador.gov.br
José Targino Maranhão - jose.maranhao@senador.gov.br
Kátia Regina de Abreu - katia.abreu@senadora.gov.br
Leomar de Melo Quintanilha - leomar@senador.gov.br
Lúcia Vânia Abrão - lucia.vania@senadora.gov.br
Magno Pereira Malta - magnomalta@senador.gov.br
Mão Santa - Francisco de Assis de Moraes Souza - maosanta@senador.gov.br
Marcelo Bezerra Crivella - crivella@senador.gov.br
Marco Antônio de Oliveira Maciel - marco.maciel@senador.gov.br
Marconi Ferreira Perillo Júnior - marconi.perillo@senador.gov.br
Maria do Carmo do Nascimento Alves - maria.carmo@senadora.gov.br
Mário Couto Filho - mario.couto@senador.gov.br
Marisa Joaquina Monteiro Serrano - marisa.serrano@senadora.gov.br
Neuto Fausto de Conto - neutodeconto@senador.gov.br
Osmar Fernandes Dias - osmardias@senador.gov.br
Patrícia Lúcia Saboya Ferreira Gomes - patricia@senadora.gov.br
Paulo Hermínio Duque Costa - paulo.duque@senador.gov.br
Paulo Renato Paim - paulopaim@senador.gov.br
Pedro Jorge Simon - simon@senador.gov.br
Romero Jucá Filho - romero.juca@senador.gov.br
Romeu Tuma - romeu.tuma@senador.gov.br
Rosalba Ciarlini Rosado - rosalba.ciarlini@senadora.gov.br
Roseana Sarney Murad - roseana.sarney@senadora.gov.br
Sebastião Afonso Viana Macedo Neves - tiao.viana@senador.gov.br
Sebastião Machado Oliveira - siba@senador.gov.br
Sérgio Pedro Zambiasi - sergio.zambiasi@senador.gov.br
Serys Marly Slhessarenko - serys@senadora.gov.br
Severino Sérgio Estelita Guerra - sergio.guerra@senador.gov.br
Tasso Ribeiro Jereissati - tasso.jereissati@senador.gov.br
Valdir Raupp de Matos - valdir.raupp@senador.gov.br
Valter Pereira de Oliveira - valterpereira@senador.gov.br
Wellington Salgado de Oliveira - wellington.salgado@senador.gov.br

Círculo virtuoso

Recebi isso a muito tempo por por email e só agora encontrei e resolvi colocar no blog.

Uma senhora estava estacionada no acostamento da rodovia, quando ela viu um homem que se aproximava. Ele quase não viu a senhora, com o carro parado no acostamento, mas logo percebeu que ela precisava de ajuda. Assim parou sua bicicleta e se aproximou. O carro dela cheirava a tinta, de tão novinho.

Mesmo com o sorriso que ele estampava na face, ela ficou preocupada. Ninguém tinha parado para ajudar durante a última hora. Será que ele não iria aprontar alguma? Ele não parecia confiável, parecia pobre e faminto.

Ele notou que ela estava com muito medo e disse:

- "Eu estou aqui para ajudar senhora. Por que não espera no carro onde está quentinho? A propósito, meu nome é Raí".

Bem, tudo que ela tinha era um pneu furado, mas para uma senhora era ruim o bastante. Raí abaixou-se, colocou o macaco e levantou o carro. Logo ele já estava trocando o pneu. Mas ele ficou um tanto sujo e ainda feriu uma das mãos. Enquanto ele apertava as porcas da roda, ela abriu a janela e começou a conversar com ele. Contou que era de Blumenau e só estava de passagem por ali e que não sabia como agradecer pela preciosa ajuda.

Raí apenas sorriu enquanto se levantava. Ela perguntou quanto devia. Qualquer quantia teria sido muito pouco para ela. Já tinha imaginado todos as terríveis coisas que poderiam ter acontecido se Raí não tivesse parado. Mas Raí não pensava em dinheiro. Aquilo não era um trabalho para ele. Gostava de ajudar quando alguém tinha necessidade e Deus já lhe ajudara bastante. Este era seu modo de viver e nunca lhe ocorreu agir de outro modo. Ele respondeu:

- "Se realmente quiser me reembolsar, da próxima vez que encontrar alguém que precise de ajuda, dê para aquela pessoa a ajuda que precisar".

E acrescentou: "... e pense em mim". Ele esperou até que ela saísse com o carro e também se foi pedalando às margens da rodovia.

Tinha sido um dia frio e deprimido, mas ele se sentia bem, indo pra casa, desaparecendo no crepúsculo.

Alguns quilômetros a frente a senhora encontrou um pequeno restaurante. Ela entrou para comer alguma coisa e notou que não era um grande restaurante, o ambiente era um tanto estranho para ela. A garçonete veio até ela e trouxe-lhe uma pequena toalha limpa para que pudesse esfregar e secar as mãos e o cabelo molhado e lhe dirigiu um doce sorriso, um sorriso que mesmo os pés doendo por um dia inteiro de trabalho não pode apagar.

A senhora notou que a garçonete estava com uma gravidez avançada, tal o tamanho da barriga, mas ela não deixou a tensão e as dores mudarem sua atitude. A senhora ficou curiosa em saber como alguém que tinha tão pouco, podia tratar tão bem a um estranho. Então se lembrou de Raí.

Depois que terminou a refeição, enquanto a garçonete buscava troco para a nota de cinqüenta reais, a senhora se retirou. Já tinha partido quando a garçonete voltou e procurou saber onde a senhora poderia ter ido quando notou algo escrito no guardanapo, sob o qual tinha mais 4 notas de 50 reais. Havia lágrimas em seus olhos quando leu o que a senhora escreveu. Dizia:

- "Aceite este dinheiro como um agradecimento a sua simpatia e belo sorriso, como um presente para você e ao filhinho que vai nascer. Alguém me ajudou hoje e da mesma forma estou lhe ajudando. Se você sentir a necessidade de reembolsar alguém, não deixe este círculo de amor terminar com você".

Aquela noite, quando foi para casa e deitou-se na cama, ficou pensando no dinheiro e no que a senhora deixou escrito. Como pôde aquela senhora saber o quanto ela e o marido precisavam disto? Com o bebê para o próximo mês, como estava difícil! Ela virou-se para o preocupado marido que dormia ao lado, deu-lhe um beijo macio e sussurrou:
- "Tudo ficará bem; eu te amo Raí".


"... não feche esse círculo!"

sábado, julho 12, 2008

Piadex "essas crianças..."

Na aula de ciências, o professor vira-se para aquela loirinha que já chamava a atenção e pergunta:
- Quantas patas tem o cavalo?
- Quatro, professor!
- Por isso, nós chamamos ele de...
- Quadrúpede!
- Muito bem! E você, tem quantos pés?
- Dois, professor!
- Por isso, nós chamamos você de...
- Cristina!

-----------------------------------------------------------------------------------------------

No 1º dia de aula, a professora pergunta aos alunos:
- Joãozinho, qual é a profissao da sua mãe?
- Empregada de escritório, professora.
- E sua mãe, Chiquinho, o que ela faz?
- A minha mãe? A minha mãe é substituta.
- Desculpa, não entendi, Chiquinho!
- Substituta! - repete Chiquinho.
- Essa profissão não existe, Chiquinho. Por favor, explica o que sua mãe faz!
- Bem, ela fica numa esquina, aí vêm uns senhores que lhe dão dinheiro, ela entra com eles para um quarto do Hotel e, passados uns quinze minutos, os senhores saem apertando o cinto da calça...
- Mas Chiquinho, diz a professora espantada, a sua mãe não é "Substituta", é "Prostituta"!
- Não, não! Puta é a minha tia que está doente. A minha mãe está cuidando do ponto dela...

-----------------------------------------------------------------------------------------------

A mãe de Joãozinho volta à casa da clínica onde teve um gêmeos e é recebida por Joãozinho:
- Mamãe, mamãe! Eu contei para a professora que tive um irmãozinho e ela me liberou das últimas três horas de aula!
- E por que você não contou que eram dois irmãozinhos? - perguntou a mãe.
- Eu não sou trouxa, mãe! O outro irmãozinho eu reservei pra semana que vem!

-----------------------------------------------------------------------------------------------

Joãozinho chega da escola e vai direto à geladeira pegar o sorvete. Sua mãe entra na cozinha e dá uma bronca:
- Nada disso, Joãozinho. Isso não é hora de tomar sorvete. Está quase na hora do almoço. Vá lá fora brincar.
- Mas, mamãe, não tem ninguém para brincar comigo!
A mãe não entra no jogo dele e diz:
- Tá bom, então eu vou brincar com você. Do que é que nós vamos brincar?
- Quero brincar de Papai-e-mamãe.
Tentando não mostrar surpresa ela responde:
- Tá certo. O que é que eu devo fazer?
- Vá para seu quarto e deite-se.
Pensando que vai ser bem fácil controlar a situação, a mãe sobe as escadas. Joãozinho vai até o quartinho e pega um velho chapéu do pai. Ele encontra um toco de cigarro num cinzeiro e o coloca no canto da boca. E sobe as escadas e vai até o quarto da mãe.
A mãe levanta a cabeça e pergunta:
- E o que eu faço agora?
Com um jeito autoritário, Joãozinho diz:
- Desça e dê sorvete ao garoto!

sexta-feira, julho 11, 2008

Piadex "Juvenal (que não é o Antena) e o telegrama "

Olha só gente essa piada foi mandada para mim por email pelo meu sobrinho. É tão boa que resolvi postar aqui. Boas risadas.

O Juvenal estava desempregado há meses.
Com a resistência que só os brasileiros têm o Juvenal foi tentar mais um emprego em mais uma entrevista.
Ao chegar ao escritório, o entrevistador observou que o candidato tinha exatamente o perfil desejado, as virtudes ideais, etc. e lhe perguntou:

- Qual foi seu último salário?
- ‘Salário mínimo’, respondeu Juvenal.
- Pois se o Senhor for contratado, ganhará 10 mil dólares por mês!
- Jura?
- Sim!
- Oo
- Continuando.. que carro o senhor tem?
- Na verdade, agora eu só tenho um carrinho pra vender pipoca na rua e um carrinho de mão!
- Pois se o senhor trabalhar conosco ganhará um Audi para você e uma BMW para sua esposa! Tudo zero!
- Jura?
- Sim!
- Uau...
- O senhor viaja muito para o exterior?
- O mais longe que fui foi pra Belo Horizonte, visitar uns parentes…
- Pois se o senhor trabalhar aqui viajará pelo menos 10 vezes por ano, para Londres, Paris, Roma, Mônaco, Nova Iorque, etc.
- Jura?
- E lhe digo mais… O emprego é quase seu. Só não lhe confirmo agora porque tenho que falar com meu gerente. Mas é praticamente garantido.
Se até amanhã (6ª feira) à meia-noite o senhor NÃO receber um telegrama nosso cancelando, pode vir trabalhar na segunda-feira com todas essas regalias que eu citei. Então já sabe: se NÃO receber telegrama cancelando até à meia-noite de amanhã, o emprego é seu!

Juvenal saiu do escritório radiante. Agora era só esperar até a meia-noite da 6ª feira e rezar para que não aparecesse nenhum maldito telegrama.
Sexta-feira mais feliz não poderia haver. E Juvenal reuniu a família e contou as boas novas.
Convocou o bairro todo para uma churrascada comemorativa à base de muita música. Sexta de tarde já tinha um barril de chope aberto. Às 9 horas da noite a festa fervia. A banda tocava, o povo dançava, a bebida rolava solta. Dez horas, e a mulher de Juvenal aflita, achava tudo um exagero.
A vizinha gostosa, interesseira, já se jogava pro lado do Juvenal.
E a banda tocava!
E o chope gelado rolava!
O povo dançava!

Onze horas, Juvenal já era o rei do bairro.
Gastara horrores para o bairro encher a pança. Tudo por conta do primeiro salário. E a mulher resignada, meio aflita, meio alegre, meio boba, meio assustada.
Às onze horas e cinqüenta e cinco minutos… Vira na esquina buzinando feito louco, um cara numa motoca amarela…

Era do Correio!
A festa parou!
A banda calou!
A tuba engasgou!
Um bêbado arrotou!
Uma velha peidou!
Um cachorro uivou!
Meu Deus, e agora? Quem pagaria a conta da festa?

- Coitado do Juvenal! - era a frase mais ouvida.
- Joguem água na churrasqueira!

O chope esquentou!
A mulher do Juvenal desmaiou!
A motoca parou! O cara desceu e se dirigiu ao Juvenal:

- Senhor Juvenal Batista Romano Barbieri?
- Si, si, sim, so, so, sou eu…

A multidão não resistiu…
- OOOOOHHHHHHHHHHH!!!!!!!!!!!

E o cara da motoca:
- Telegrama para o senhor…

Juvenal não acreditava…
Pegou o telegrama, com os olhos cheios d’água, ergueu a cabeça e olhou para todos. Silêncio total. Não se ouvia sequer uma mosca!
Juvenal respirou fundo e abriu o envelope do telegrama tremendo, enquanto uma lágrima rolava, molhando o telegrama.
Olhou de novo para o povo e a consternação era geral.
Tirou o telegrama do envelope, abriu e começou a ler.
O povo em silêncio aguardava a notícia e se perguntava:
E agora? Quem vai pagar essa festa toda?

Juvenal recomeçou a ler, levantou os olhos e olhou mais uma vez para o povo que o encarava…
Então, Juvenal abriu um largo sorriso, deu um berro triunfal e começou a gritar eufórico.

- Mamãe morreeeeuuu! Mamãe morreeeeuuu!!!!!!!

quinta-feira, julho 10, 2008

Big Buck Bunny














Big Buck Bunny, também conhecido como Peach Open Movie ou A Rabbit's Revenge, é a nova animação livre do Blender Institute, subsidiário da Blender Foundation.
É uma animação feita com o programa Blender, além de ter sido criado com recurso a software livre, é disponibilizado pelos autores sob uma licença Creative Commons 3.0.




O forte do curta está nos efeitos especiais, pois o propósito do projeto é justamente desenvolver as ferramentas do Blender através de um projeto real.

Diferente do filme Elephants Dream a primeira animação da Blender Foundation, os criadores de Peach prometem tornar a mesma divertida, e não só como uma amostra das capacidades do Blender. O trabalho do filme iniciou-se em 1º de Outubro de 2007, e foi concluído com sucesso em 30 de Abril de 2008. O filme foi produzido, suportado por doações e pré-vendas do DVD.

Junto do filme, a Blender Foundation tem outros planos para 2008, que incluem um novo jogo livre, o Apricot.

quarta-feira, julho 09, 2008

Personalizando o gnome

Primeira coisa a fazer é abrir o programa que gere o aspecto deste gestor de ambiente:

Aparencia

E irá se abrir esta janelinha onde podemos escolher qual o tema que mais nos agrada, bem como um wallpaper dos que estão guardados no sistema, tipo de fonte e como ela aparece no ecran, como se apresentam os ícones nas janelas e tres níveis de efeitos visuais que dependem da placa gráfica que se possui.

Preferências no

Uma coisa interessante no Gnome é que ao escolher qualquer dos elementos de personalização, seja um tema, wallpaper ou outra coisa qualquer, basta selecionar sem ser necessário clicar no botão "Aplicar" que simplesmente não existe.
Efeito imediato e simplificado! Por outro lado não há opção de voltar atrás, logo convêm ver o que está em uso para se saber como voltar atrás no caso das modificações feitas não serem do seu gosto.

Se os temas que já estão disponíveis no seu sistema não o agrada e você quer mais variedade, pode sempre dar uma olhada ao Gnome-look ou ao art.Gnome e pegar por lá o que for mais bonito e baixar o que gostar.

Outra sugestão que recomendo é o blogue Kim's area onde tem disponibilizados vários temas para o Gnome bastante interessantes. Basta escolher o que se gosta, fazer o download dos arquivos em .tar.gz e depois instalar a partir do programa "Aparencia".

Kims-area.com

Outro programinha bastante útil é o Gnome-art que na verdade é apenas um front-end para o site art.Gnome, e com ele é possível visualizar, fazer o download e instalar temas, janelas, wallpapers, etc:

artmanager

Para o instalar cliquem aqui ou instalem pelo processo abaixo como root:


sudo apt-get install gnome-art

Após instalado é só ir ao Sistema > Preferências e escolher o programa "Art Manager".
Podem sempre salpicar o vosso desktop com Desklets, sejam as gDesklets, as Google-gadgets, as Screenlets ou adesklets. Ou usar outros programas de monitorização do sistema como o Conky.

copiei daqui óóóó...

PS3 na forma de laptop



Esse notebook aí de cima, o Toshiba
Qosmio G55, é o primeiro com o processador Cell - o mesmo chip usado no videogame PlayStation 3 e no supercomputador mais rápido do mundo. Tudo indica que ele será o laptop mais potente da história, e está prometendo recursos animais.

Como o Gesture Control (para controlar a reprodução de músicas e vídeos, é só mexer a mão na frente da tela) e o Face Navigation, que reconhece o rosto das pessoas. Resta saber se o bicho vai rodar joguinhos de PS3.

Falando nisso, você já viu o
Xbox 360 versão notebook?

Fuck For Forest


Bom, ficar pelado é uma coisa, agora, imagine fazer sexo para salvar o meio ambiente? É isso que o site pornô Fuck For Forest (precisa traduzir?) pretende! Criado pelo casal roqueiro Leona Johansson e Tommy Hol Ellingsen, o FFF.com destina 80% das verbas arrecadadas com a assinatura do conteúdo do site para entidades e ações ambientais.


O casal descobriu que existe um grande público interessado em um conteúdo, digamos, mais lascivo quando se trata das questões ambientais. Em um festival de música norueguês, em 2005, eles protagonizaram uma cena, hum, mais picante para conscientizar o público para as causas ambientais. Como deu muito certo, criaram o site.


Há fotos, vídeos e shows ao vivo de Leona e Tommy, além de seus amigos, se “introzando”. Além disso, os membros (que assinam por US$ 15 por 30 dias) podem dividir suas experiências sexuais com a comunidade por meio de webcams. Pode-se comprar também camisetas como lembrança, embora não sejam tão apropriadas para se usar por aí...


Para se ter uma idéia do sucesso da iniciativa, no ano passado, o casal arrecadou US$ 120 mil. O único problema é que algumas organizações não aceitaram a contribuição, como a World Wildlife Foundation por causa da notoriedade do grupo.

Pelo menos, alguém está se divertindo com a preservação do meio ambiente...

O fim da floresta?



Passando em frente ao imponente prédio do Google, na Califórnia, em 2006, o índio brasileiro Almir Suruí teve um insight: aquela gigante organização poderia ajudá-lo a salvar a Amazônia, mais especificamente, as terras dos Suruís, no estado de Rondônia.

É que, segundo a ONG Kanindé, todos os dias, 200 caminhões transportando madeira ilegal saem da região impunemente. Cansado de pedir ajuda ao IBAMA, à FUNAI e à Polícia Federal para conter a situação, sem que nada fosse feito de fato, Almir resolveu ir até os EUA para chamar atenção do mundo para o problema.

Quando conheceu o
Google Earth, o índio ficou impressionado com a capacidade da ferramenta em revelar as áreas de desmatamento pelo mundo e viu ali um novo instrumento para que seu povo pudesse monitorar melhor as próprias terras e tentasse se defender das madeireiras. Ele não só marcou uma reunião com o Google e passou 4 horas no prédio da empresa contando sobre as invasões em Rondônia, como conseguiu que eles viessem ao Brasil há três semanas para conhecer o local de perto e firmar uma parceria com os Suruís.

Além de ter a região mapeada, até agora, duas oficinas já foram ministradas por instrutores do Google – uma em Cacoal, onde ficam a aldeia dos Suruís, e outra em Porto Velho, capital do estado – para capacitar os índios e os demais habitantes da região a utilizarem as ferramentas digitais e disponibilizarem na internet informações sobre as atividades irregulares na floresta. Além de o mundo todo ficar sabendo do que tem acontecido por lá, as autoridades passam a ter informação em tempo real sobre a atuação dos madeireiros e não têm desculpa para não agir contra isso.

Almir é constantemente ameaçado de morte, mas continua se movimentando em prol da Amazônia. Juntamente com o GTA – Grupo de Trabalho Amazônico, ele aproveitou a presença estrangeira, no mês passado, para lançar um dossiê que denuncia a ação das empresas que estão por trás da extração ilegal da madeira e aponta nomes de políticos possivelmente envolvidos no esquema (leia “O fim da floresta?” no site da ONG kanindé).